A Mesquita e Tumba de Jamali-Kamali  e o Baoli Rajon

De homens, gênios, história e lendas. De sol, pedra e água

A JAMALINIK_7483

                Há muitos sítios ditos assombrados em Delhi, a “cidade dos gênios”, de criaturas sobrenaturais da mitologia islâmica[1]. Nos folclores persa e árabe, os djinns são indivíduos com poderes de conceder desejos aos humanos, mas também há seus opostos, os tipos maliciosos e intrometidos, que muito embora sejam de crença islâmica, os hindus e sikhs também costumam procurar “ajuda” destas criaturas mágicas, que dizem escolhem as ruínas mais escuras e desoladas do parque para residirem.

               Em Delhi, todavia, a maior parte dos lugares que encantam os turistas são aqueles cercados de burburinho, sob atmosferas eletrizantes, dos sons pulsantes, dos ares aromáticos, tons coloridos e experiências impactantes. Aqueles em que toda a Índia parece caber em Delhi. Contudo, há na cidade lugares que encantam por uma virtude, tão oposta e tão maior quanto o que caracteriza o vulcão ativo que é a capital indiana. São o silêncio e a quietude, em que em alguns dos quais, lendas, fábulas, mitos e mistérios permeiam cada pedra. O Parque Arqueológico de Mehrauli é um destes e, ali, ainda um mais especial que o distingue dos demais: dois monumentos adjacentes – uma mesquita e um túmulo – construídos entre 1528 e 1529, que não apenas são notáveis por serem os primeiros exemplares da arquitetura mogol na Índia, mas por sua história. Tão atraente que desde que começamos o planejamento desta viagem o selecionamos como lugar de indispensável visitação: a mesquita e túmulos de Jamali e Kamali.

A JAMALINIK_7505

               Situadas num parque bonito e atmosférico, entre um jardim protegido por muro de pedras, a mesquita e o túmulo, ainda que compartilhem seus limites com o Qutub Minar, a não mais que 500 metros de distância dali, é lugar que quase ninguém as percebe. Outras construções espalham-se pelo complexo e em todas vivem-se bons momentos. São muitas, entre elas, o túmulo de Balban, o dossel de Metcalfe, o túmulo de Quli Khan, o Rajon Ki Baoli e o túmulo de Khan Shahid. Entre estes, a mesquita e o túmulo Jamali-Kamali e o belíssimo baoli Rajon Ki.

                Entre um verde exuberante, num canto quase isolado do parque, o incauto turista que por ali passar poderá pensar tratar-se de “mais-um-túmulo-da-era-mogol” quando deparar-se com a placa indicativa do monumento. Deixará de conhecer sua história curiosa, se decidir não visitá-lo. Quase tão atraente quanto a engenharia. Para os amantes da arquitetura não será preciso mais que um olhar para se sentirem atraídos.  Contudo, é a curiosa história e o fato de ser um “lugar assombrado”, com relatos de experiências assustadoras, que marcam a mesquita e o túmulo Jamali-Kamali.

ANIK_7031

                A história é de poetas, de poesia e romance. Jamali teria sido o pseudônimo de Shaikh Jamali Kamboh, um renomado santo sufi que viveu durante o governo da dinastia pré-mogol dos Lodhi, cujo governante à altura descendia da dinastia mogol de Babur e Humayun. O poeta, cujas rimas suaves impressionaram o imperador no final do século XV, tornou-se popular e famoso, tendo escrito obras importantes como “O Espelho dos Significados”, “O Sol e a Lua” e “A Jornada Espiritual dos Místicos”. Sua habilidade poética fez dele um imortal. Babur e Humayun gostavam tanto do que escrevia que tornaram-se seus patronos. Kamali, por sua vez, era o oposto de Jamali, um ilustre desconhecido, que dizem no máximo ter sido seu discípulo, cujos antecedentes não são plenamente conhecidos. Os nomes estão marcados juntos, com hífen – Jamali-Kamali – não só porque foram sepultados lado a lado. Especula-se que eram amantes e teriam sido profundamente apaixonados. Esta é a breve história do túmulo, mas quem quiser se aprofundar, deve ler o livro “Jamali-Kamali, Um Conto de Paixão na Índia Mogol”, de Karen Chase, que descreveu a história sobre o amor gay que não conheceu a vergonha, que ninguém ridiculariza nem julga, corre solta e poética, sem guardar preconceitos.

ANIK_7079

                   Construídos em 1528, foram a primeira obra em arenito vermelho e mármore branco, que tornou-se tendência popular da arquitetura mogol. Tem cinco arcos esculpidos na sala de oração, onde uma cúpula se eleva acima do arco central.

                        Um guarda escondido surge do nada, parece entediado, talvez porque raramente alguém passa por ali. Ele “cuida” do prédio, fechado por um portão de ferro. Niraj, nosso guia, conversa com ele e lhe pede para abrí-lo para nós. Entramos no espaço vazio através do pequeno portão de ferro da muralha que separa a mesquita  e a tumba. Entre quatro paredes altas, o cenário é perfeito para a criação de histórias de gênios e fantasmas que dizem haver por ali à noite. No prédio, duas sepulturas de mármore abrigam os restos mortais de Jamali e Kamali. Nada empolgante do ponto de vista do desenho, talvez porque nele não se possa entrar, mas um vislumbre pela janela gradeada é o bastante para nos surpreender com o estampado da pintura do teto, em vermelho e azul, com inscrições do Alcorão e de poemas de Jamali quase apagados pelo tempo. A falta de luz protege o que resta.

ajamali NIK_7522

E os gênios?

                    Gênios remetem aos contos de Aladin e sua lâmpada mágica, da série Arabian Nights, história cuja versão infantil foi adaptada num filme de animação que marcou a juventude de muita gente. Já em Delhi, os gênios, ou djinns, são mais, digamos, adultos, não tão românticos. Conhecidos por suas travessuras e sons assustadores, invadem casas sem aviso prévio e costumam habitar ruínas da cidade, muitas delas no complexo arqueológico de Mehrauli.

                       Para os que acreditam em mitos e lendas, os djinns de Delhi concedem desejos. Fiéis rezam, acendem velas e escrevem cartas para eles. Dizem que as leem e escutam pacientemente os pedidos. E que podem resolver qualquer problema. Não acredito em gênios, mas, por conveniência, jamais passaria por ali à noite. Dizem que na mesquita e túmulo Jamali-Kamali, alguns se refugiam e, por estas histórias, Jamali-Kamali tornou-se conhecido como a “casa dos Djinns”, onde ainda hoje reúnem-se epssoas ali para se conectarem com eles.

Rajon Ki Baoli. Sol, pedra e água

ajamaliNIK_7536

                        Quase um tesouro escondido numa parte do quase deserto Parque Arqueológico de Mehrauli, este baoli de pedra é um lugar especialmente calmo, fresco e bonito. O pitoresco baoli remonta ao ano 1506, tem três andares abaixo do nível do solo e surge repentinamente à medida que nos aproximamos dele. A estrutura de pedra acredita-se ter sido construída na era Lodhi. por Daulat Khan. A construção é retangular, consiste num poço profundo que pode ser acessado através da grande escada. Um nicho aberto na parede sul atua como uma passagem que une o poço ao tanque de água. Seus degraus podem ser descidos e levam até ao fundo. Os lados são cercados por muros altos e incluem uma plataforma para caminhar, doze pilares de cada lado e nichos arqueados. Em certos lugares, há nichos nas paredes, usados para abrigar lamparinas a óleo, o que sugere ter sido além de poço reservatório de água, um lugar para encontros sociais e culturais, espaço público frequentado também durante a noite.

a jamaliNIK_7528

[1] Djinns não são fantasmas nem são anjos, mas “entidades” criada por Allah para agirem junto aos humanos, fitos de fogo mas sem fumaça. De acordo com a mitologia islâmica, Iblis era um Djinn que se recusou a se ajoelhar diante de Deus e foi expulso do céu, passando então a ser um diabo, ou Shaitan. Eles têm o poder de manipular mentes humanas fracas e possuir pessoas se elas se apaixonarem por eles. “Vivem” por milhares de anos e podem ter uma família. Cabelos longos e perfumes são uma fraqueza para eles, então tenha isso em mente antes de entrar em um prédio antigo e desolado!

a jamali NIK_7542

Um comentário em “A Mesquita e Tumba de Jamali-Kamali  e o Baoli Rajon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s